segunda-feira, 24 de janeiro de 2005

Old Hits II - Reloaded

Beto Barbosa, Rosana, Cid Guerreiro, Perla, Vanusa e Ronnie Von. Ao centro, o Velho Guerreiro.
Atendendo a pedidos de leitores, mais precisamente da Pollyanna (amiga de almoços na área vip do Ana’s Restaurant, que, fazendo o jogo do contente – que é comum a pessoas com esse nome-, acredita que do lixo pode vir o luxo ou que o futuro é uma evolução do passado), apresento alguns nomes que fizeram parte do mundo daqueles que nasceram antes dos anos oitentas. Grandes personalidades da música ultra-mega-super pop brasileira, aqueles que participavam da Discoteca do Grande Gerreiro, o Chacrinha:

“Índia seus cabelos Nos ombros caídos / Negros como a noite que não tem luar / Seus lábios de rosas para mim sorrindo / E a doce meiguice desse seu olhar” (Índia - Perla - José Asunción Flores e Manuel Ortiz Guerrero - Versão: José Fortuna). Alguém se lembra da Perla? Eu me lembro como se fosse ontem: eu e meu pai fomos a um show dela em Passa Quatro!

“A música na sombra, o ritmo no ar / Um animal que ronda no véu do luar / Eu saio dos seus olhos / eu rolo pelo chão / Feito um amor que queima magia negra sedução / Como uma deusa você me mantém / E as coisas que você me diz / Me levam além / Tão perto das lendas” (O amor e o poder – Rosana – autor desconhecido, melhor não revelar o nome mesmo!). Grande sucesso da novela “Roda de Fogo”, temos o disco em casa com Tarcísio Meira na capa!

“Diga o que será, parecunde cundá cundá / Quando seu corpo no meu se encontrar / Bateu legal bateu forte a capoeira / Pintou, virou, bateu minha cabeça / Bateu legal bateu forte a capoeira / Pintou, virou, bateu minha cabeça, ohhhh preta” (Preta – Beto Barbosa – autor desconhecido, procura-se morto, hehehe). Na época da Lambada, a dança proibida, tudo era válido, mas espera lá: parecunde cundá cundá??? Vale me Nossa Senhora de Aparecida do Norte!!!

“Do jeito que tá é muito pouco pra mim / Eu quero provar muito mais / De tudo que eu tenho direito, eu levo jeito / A vida tá aí, pra quem quiser descobrir / E eu quero é maisMe ver muito mais / Bem curtida” (Do jeito que tá – Ronnie Von). Bem, essa tenho que admitir que não me lembro. Lembro do Ronnie, que cantava a música da Praça é Nossa: “A mesma praça, o mesmo banco...”, vocês também devem se lembrar... Mas a Polly lembrou, enfim, ta ái!
“Tá na hora, tá na hora, ta na hora de brincar / pula pula bole bole se embolando sem parar /dá um pulo val pra frente, de peixinho vai pra trás / quem quiser brincar com a gente pode vir, nunca é demais / I la i la riê, ôôô, i la i la riê, ôôô, i la i la riê, ôôô / É a turma da Xuxa que vai dando seu alõ!” (Ilariê – grande sucesso de Xuxa, compositor CID GUERREIRO). Gente, vocês lembram do Cid Guerreiro ele fez outras músicas mas eu não encontrei nenhuma na Internet, então coloquei Ilariê, que foi uma música de grande sucesso, não só no Brasil quanto na América Latina. Detalhe 1: esse não é um trecho, é toda a música (believe or not). Detalhe 2: quem lembrou dessa figura foi a Monalisa, que no intervalo de uma subida e descida de ladeira em Vila Rica, não deixa de acessar o “Fundo de Gaveta” (valeu também pela lembrança).
A Vanusa eu consegui uma foto, mas não achei nenhuma letra de música, mas, como eu já disse, uma imagem (essa então nem se fale!) vale por um milhão de palavras. Do Sérgio Brito eu não encontrei nada e peço alguém que se encontrar alguma coisa me mande! Agora, por último, uma questão: quem diabos é esse Naim? Alguém conhece?
"Roda, roda e avisa"! Mustafá!

0 Comentários: